quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Recomeço: miniconto


pt.wikipédia.org

 Numa pequena fazenda, debaixo de uma paineira era onde João e Rose se encontravam: faziam juras de amor olhando a lua e as estrelas dando beijos e suspiros apaixonados. Foi nesse mesmo lugar que fizeram o primeiro amor e desse amor nasceu um lindo bebê que João nem conheceu. Fugiu.
 O tempo passou, o bebê cresceu e sempre perguntando quem era seu pai. Num dia de aflição ela disse ao seu filho ainda pequeno: Seu pai é João o antigo retireiro da fazenda e quando soube que você ia nascer fugiu e nunca mais ninguém o viu por essas bandas.
 João era lindo e tinha uma boa lábia, fez filho em Rose e a abandonou. Para quem passasse naquela paineira via sempre Rose a choramingar a dor do abandono.
 Um dia apareceu Pedro perto da paineira e disse à Rose: vamos namorar?  Pedro enxugou as lágrimas de Rose e prometeu amá-la e que iria esperar que um dia o amasse. Rose abraçou Pedro e disse sim.
 Casaram-se, tiveram outros filhos e foram muito felizes (...) um amor morre e outro recomeça, pois sempre se encontra alguém que sabe nos valorizar.
 O primeiro filho de Rose nunca mais perguntou pelo pai, era para Pedro que sempre dizia: amo você meu pai...

Dorli Silva Ramos

23 comentários:

  1. Lindo conto querida Dorli, como sempre, pois tudo que você escreve é de grande valor.
    Parabéns amiga querida, bjs no coração.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo,Dorli!Que lindo final! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Dorli!
    Um conto emocionante,onde vemos o que adianta ter um pai biológico,que foge das suas obrigações,só para dizer que é o pai?Não,pai ou mãe são àqueles que criam que veem cada passo deles,que ficam ao seu lado quando doentes;esses são os verdadeiros pais,não precisam gerar filhos,para que sejam pais legítimos.
    E a prova está nesse belo conto em que o menino aceitou àquele que não o gerou e deixou que sua mãe tivesse um recomeço de vida ao lado de um novo amor.
    Bjs amiga
    Carmen Lúcia-mamymilu

    ResponderExcluir
  4. oi Dorli querida,

    Quem ama mesmo não vai embora, se foi não era amor.
    O amor ficou banalizado demais.
    Como pode um ser humano brincar tanto com o coração de outro?
    Deixar um filho para trás e achar que vai ser feliz?
    Final feliz para nossa personagem afinal, todas merecemos encontrar o verdadeiro amor (amar e sermos amadas).

    bjokinhas =)

    ResponderExcluir
  5. Bom doa querida Dorli!

    Você sabe que adoro ler seus contos, são sempre contados com muita grandeza, e sabedoria, sempre uma linda história que me encanta. são lindos. Adoro te ler mulher!

    Uma quinta-feliz viu?

    Maria Machado

    ResponderExcluir
  6. BOM DIA RECHEADO DE SAUDADES !
    VC OUTRO DIA ESTEVE NO MEU BLOG DIZENDO QUE ESTAVA ENTRANDO EM OFF.DEIXEI DE VIM POR AQUI,MAIS VEJO QUE VC CONTINUOU POSTANDO ...
    FICO FELIZ POR ISSO,POIS SENTI SUA FALTA SIM...BJSSSSSSSSSSSSS

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Dorli

    Um conto muito bonito
    Pai/Mãe: É aquele que dá amor e carinho, não precisa ser se sangue...
    Um amor só esquecido com a chegada de outro!! Gostei de ler

    Beijo
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  8. Recomeçar é sempre muito importante...
    Conto de amor e de virada, superação... Prosseguir é preciso e com passos firmes...
    Um Beijo, Dorli...

    ResponderExcluir
  9. Teus textos são sempre gostosos de ler, Dorli. Através de uma história curta tu conseguiu mostrar uma grande verdade, que muitos por vezes insistem em não querer enxergar... que sempre existe alguém que vai te magoar, assim como se tu não ficar preso à amargura, encontrará quem saiba te valorizar. Beijos!!

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde Dorli.. como ouço da Cristina Cairo.. os filhos não eram a barriga.. nós adultos que não achamos o marido ou esposa em harmonia com o que sentimos.. o valor é tudo no amor.. e sempre haverá alguém a dar ele em dobro para nós.. bjs e um lindo dia

    ResponderExcluir
  11. Vim viajar em seus contos que no qual me identifico muito.
    Valeu por compartilhar.
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Um conto lindo. Pode-se até comparar a certas realidades que existem...tantos casos análogos existem nesta vida.
    O amor nem sempre é cumprido dentro das promessas que se faz...mas sem dúvida que existe sempre um outro amor que pode fazer esquecer uma má experiência

    Deixo um abraço
    ***
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  13. Olá,Dorli
    Que belo conto! Relata a vida de muitas donzelas,que confiam demais...
    Muitos parabéns.
    Beijinhos
    Beatriz

    ResponderExcluir
  14. Que começo triste mas com final feliz , ainda bem .
    tenha um aboa tarde.
    bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Amiga Dorli

    Lindo conto, quantas histórias de Amor terminam desta forma. O que vale não é o mesmo sangue, e sim, o Amor que une os laços eternamente.

    Estou na base do pingo..pingo...vou aos poucos nos blogs, muito corrido amiga.
    Beijos
    Nati

    ResponderExcluir
  16. Vivam os os recomeços.

    E pai é quem ama e cria.

    beijos

    ResponderExcluir
  17. Dorlim

    Adoro ler contos, especialmente porque os enredos são mais ageis. Aprendi a curtir com minha irma que compra cada um mais "barbaro" do que outro nas bancas! São deliciosos para distrair.

    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Pois é Dorli!

    Ainda bem que enquanto un/s ñ nos valoriza outro/s nos dar a benção de nos amar, como merecemos.
    Um conto que faz parte da nossa vida!

    Bjo e boa noite!

    ResponderExcluir
  19. Lindo conto maravilhoso sem palavras, Dorli passando pra desejar uma ótima quinta-feira fique com Deus beijos.
    http://www.lucimarestreladamanha.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Maravilhoso seu conto. Nosso coração está sempre pronto para amar de novo. é só se permitir. Bjus

    ResponderExcluir
  21. Bom dia Dorli, tudo bem amiga ? Antes de ir trabalhar, tive que dar uma olhada em seu espaço, sempre com um conto que mexe com a vida de alguém. Esse em especial. Eu tenho uma irmã de 25 anos, que namorou um cara de 42 anos da igreja dela. Ficou gravida e o cafajeste sumiu. Ela ficou toda em pânico, se perguntando: e agora? Assumi todos os periodos de gestação dela, e assumi tb a minha sobrinha, que fez 3 anos em 25/10. Vitoria me chama de pai, e eu me sinto o pai dela. É uma historia tão longa que um dia te contarei tudo. Mas enfim, ser pai (mesmo sendo tio) é algo que não da para explicar. Me derreto por ela sabe? E finalizando, se um amor morreu, devemos nos dar a chance de começar um outro. Parabéns mulher que tanto admiro.

    Bjão !
    Tenha um dia de mta paz e sabedoria.
    Dan.
    http://gagopoetico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Estou recomeçando...quando o amor chegar estarei pronta.
    Abraços Dorli....Li tudo, cada dia você posta algo melhor ainda!

    ResponderExcluir