sexta-feira, 22 de julho de 2011

EPÍLOGO: A procura da felicidade



Então, Ricardo ficou doido da vida por ter acreditado na mulher, meio estranha e pensou: E agora, o que eu faço? Já perdi minha família, que era o meu recanto de felicidade e, vinte anos da minha vida, deixei tudo pra  trás: minha mulher que era uma santa e meus três filhos. De repente, um lindo beija-flor apiedou-se dele e disse: Venha, você já sofreu demais, eu vou ensinar-lhe o caminho para sair dessa floresta. Chegando à beira do asfalto o beija-flor, batendo suas asinhas sumiu floresta adentro.
Ricardo, todo envergonhado, pois estava quase nu, ficou esperando uma carona. Que nada! Todos passavam por ele e gritavam: Olha lá o doidão! Num dado momento, alguém caridoso que pelo asfalto passava, chamou a polícia, que não tardou a chegar. Os policiais acharam que era algum louco e, colocou-o no carro e rumaram para a delegacia. Lá Ricardo explicou ao delegado que entrou numa floresta para descansar sua cabeça e se perdeu e, por lá ficou muito tempo. Disse o endereço onde ele morava e os policiais foram avisar seus familiares.
Cláudia, sua mulher, depois de saber da estória do marido, avisou seu companheiro e como era um homem muito bondoso, pegou algumas roupas e sapatos e foram à delegacia. Quando sua mulher o viu, assustou-se, tal a transformação de Ricardo: todo sujo, barbas e cabelos compridos, magérrimo e, apiedando-se dele e com o aval de seu companheiro, levaram-o para um hotel. Lá ele tomou um belo banho, fez a barba, vestiu-se muito bem e, amarrou os cabelos.
No outro dia foi ao cabeleireiro, cortou os cabelos. Era outra pessoa, apesar de seu sofrimento na floresta, sua aparência frágil era de um homem de mais ou menos sessenta anos. Voltou ao hotel, almoçou bem, nem sabia mais como usar os talheres. Após o almoço, Claudia e seu companheiro, levaram-o para a casa deles. Quando chegou perto da casa, ela estava toda transformada, linda demais e um maravilhoso jardim cheio de tulipas de todas as cores, menos a preta, viu os seus três filhos, abraçou-os, pedindo perdão e, de repente aparece um quarto filho, mas não era de Ricardo e sim de Cláudia e Jorge.
Finalmente, tudo foi ajeitado, Cláudia perdoou Ricardo e seu companheiro deu-lhe de presente uma casinha simples, com um enorme terreno para ele plantar as suas tulipas e, ainda um emprego na sua firma para que ele pudesse se sustentar e o direito de ver seus filhos quando quisesse, mas do portão para fora. Ricardo e Cláudia se divorciaram e ela finalmente casou-se com Jorge.
Meus leitores, olhem que sorte teve o danado do Ricardo, além de lhe ajeitarem a vida, ainda encontrou uma boa companheira para se casar e, todos FORAM FELIZES PARA SEMPRE.

1 Comentários:

Às 22 de julho de 2011 16:07 , Anonymous Anônimo disse...

Adorei Dorli,
Você tem idéias geniais,você deve escrever um livro pela internet, que vai ser muito legal esperar para ler a próxima página ou o próximo capitulo quando você escrever.
Um abraço
Ana

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial