segunda-feira, 8 de junho de 2015

Amor!


отношения!


Foi tão lindo o nosso amor; os beijos com gosto de paixão...corríamos ao banheiro a nos banhar com água fria, pois ali mesmo fazíamos amor com loucura de quem nunca poderia viver sem o outro.
É... mas o destino cruel fez você dormir no volante e na estrada da morte, deixou seu corpo, sua alma voltou pra casa. Senti seu perfume e, chorei.
O dia foi tenebroso, a despedida, as velas, as flores e você entrava no meu corpo e dizia: eu estarei sempre contigo.
Chegando em casa, fui logo tomar banho, eis que você me banhava com aquele sabonete cheiroso que comprava para nós. Senti suas mãos de leve e o sabonete deslizou meu corpo inteiro e me realizei.
Um dia, apesar do amor que sentia por ele, logo ficaria louca, então, entrei numa igreja. Lá ele não entraria, conversei com o padre o que estava acontecendo, ele me deu um vidrinho de água benta e pediu que eu o jogasse nele.
Ao sair da igreja, senti-o perto de mim, joguei-lhe a água benta, aí eu o vi chorando, nada falou e se foi...
Alguns anos se passaram e recomecei minha vida com outro amor, era jovem com uma vida intensa pela frente. Logo chegou Diogo, meu primeiro filho, ele era estranho... Será??






13 comentários:

  1. Bom dia
    Que conto lindo, mas triste... porém acontece também na realidade.
    Nada acontece por acaso.

    Beijos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Lindo e instigante teu conto de amor,Dorli! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. O amor nos conduz a isto: Apego excessivo à matéria.
    E, muitas vezes a morte, esse mecanismo que torna possível
    o fluxo da vida, leva o espírito, com a mente obscurecida
    pela experiência recém vivida, a não desgrudar daquilo
    que mais o atraía, sem levar em conta a mudança de situação.
    O que é problemático nao é o amor em si, mas a nossa
    ignorância das leis da vida.
    E isso se aprende com muito vagar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Uma história triste com um final feliz.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  5. Ao amor

    De que raro material o amor se faz?
    Em qual forja fora ele então fundido?
    Quando a resposta não nos satisfaz
    Um lapso se abre sem algum sentido.

    E, no entanto, para sempre continua
    É como se nada o atrapalhe jamais
    Fazendo os namorados curtirem a lua
    E unindo para sempre até desiguais.

    Impetuoso, o amor move montanha
    Tem potência para moldar o universo
    Ousado todos os tempos ele ganha
    O aprisiona o poeta no meio do verso.

    Amor pra sempre vai continuar assim
    Mexendo nas entranhas dos amantes
    Ou mesmo provando que não é ruim
    Revendo o agora, o depois e o antes.
    ?

    ResponderExcluir
  6. É a sua história mãe?

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filhota,
      Eu ainda não morri.kkk
      É tudo ficção

      Excluir
  7. Oi Dorli,quem acredita em reencarnação fica essa dúvida!Sera?
    Lindo conto.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  8. Claro que vc não morreu, e Glória a Deus por isso,mas já perdeu para morte um amor. Pensei que estava a fazer uma ficção com essa perda.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  9. Oi Dorli, que bonita história. Ainda bem que ele se foi para o descanso eterno!
    Uma ótima tare!
    Beijos,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  10. Mais uma bonita história, e é bom que seja ficção, assim ninguém morreu...
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. O amor é o que há de mais bonito, sincero e corajoso! !! Beijos pra autora, cada vez mais sensacional!!!

    ResponderExcluir
  12. Quem sabe, o filhote seja o responsável pelo seu retorno? Lindo !

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir